RECUPERAÇÃO DA RUA DOS BOMBEIROS ENTRA EM DISCUSSÃO NO MINISTÉRIO PÚBLICO


RECUPERAÇÃO DA RUA DOS BOMBEIROS ENTRA EM DISCUSSÃO NO MINISTÉRIO PÚBLICO
RECUPERAÇÃO DA RUA DOS BOMBEIROS ENTRA EM DISCUSSÃO NO MINISTÉRIO PÚBLICO

A prefeitura de Barcarena vem tentando negociar com as empresas Unitapajós e Hidrovias, que operam os portos privados em Itupanema, a cerca de dois anos, para recuperar a Avenida Padre Casemiro de Souza (Rua dos Bombeiros, destruída com o tráfego de carretas que operam nesses portos. Tem dias que passam 200 e até 300 carretas por dia.

Depois de várias negociações, a prefeitura fez um acerto com uma das empresas, a Unitapajós, que anunciou a liberação de recursos para a recuperação da avenida. Mas, o governo municipal vem enfrentando resistência da outra empresa, a Hidrovias.

“A responsabilidade pela destruição da avenida não é do município. A prefeitura não vai tirar dinheiro da educação, da saúde e recuperar a avenida que as empresas destruíram”, enfatizou o prefeito Antônio Carlos Vilaça.

Diante do impasse, da falta de acerto, a questão passou a ser do Ministério Público do Estado, que intimou o governo e as empresas para solucionar o impasse. “Para a prefeitura, a intervenção do Ministério Público foi muito melhor. A prefeitura só tem a ganhar”, destacou o prefeito.

O encontro com o Ministério Público ocorreu na tarde desta quinta-feira. O prefeito Vilaça esteve presente, ao lado do vice-prefeito Paulo Alcântara e sua equipe de engenheiros, e expôs as dificuldades que vem enfrentando nos últimos anos. Na reunião, a Hidrovias prometeu se pronunciar até quarta-feira, com uma resposta definitiva ao Ministério Público. “A Hidrovias entrando no processo de recuperação da avenida, só temos a ganhar”, comentou o vice Paulo Alcântara.

A prefeitura já concluiu o projeto para a recuperação definitiva da Rua dos Bombeiros, orçado entre 14 a 15 milhões, para recuperar, hoje.  Tem que pensar que as carretas continuam passando na avenida, o que pode prejudicar mais a via.

O governo só quer a obra pronta o menor tempo possível, a avenida pronta para não prejudicar mais as comunidades. Ali não tem como andar nem a pé. A prefeitura está preocupada com o nosso povo”, concluiu Vilaça.