PREFEITURA APELA PARA A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL


PREFEITURA APELA PARA A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL
PREFEITURA APELA PARA A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

Uma programação educativa e cultural marcou o Dia Mundial do Meio Ambiente, nesta terça-feira (5), na Praça da Bíblia, em Barcarena, com diversas apresentações protagonizadas pelos estudantes das escolas da prefeitura. O objetivo foi conscientizar as pessoas sobre a importância de cuidar da natureza e da vida de todos.

Cada escola fez uma apresentação diferente. As crianças da ‘Tia Zita’, que fica na comunidade da colônia da CDI, cantaram a música Sobradinho, de Sá e Guarabyra, para reclamar da falta de respeito com os rios e o mar. “O sertão vai virar mar, dá no coração o medo que algum dia o mar também vire sertão”, diz a letra da canção.

Além da música, os pequenos estudantes exibiram criatividade nas fantasias e nos passos das coreografias ensinadas pelos professores. Foi uma manhã recheada de informação e aprendizado. “É fundamental a sensibilização”, disse a engenheira ambiental da Secretaria de Meio Ambiente de Barcarena, Arianne Mendonça.

O evento celebrativo desta manhã reuniu servidores das secretarias de Educação, Meio Ambiente e Assistência Social e recebeu elogios dos participantes. “Esse evento é uma iniciativa maravilhosa porque faz menção ao meio ambiente e integra a comunidade”, afirmou o servidor público Eduardo Santos, da colônia CDI.

APRENDIZADO – Os estudantes das escolas municipais mostraram desembaraço sobre o tema “Esse Rio é Minha Rua” escolhido para festejar o 5 de Junho. “A gente tem que cuidar do meio ambiente pra ter uma vida melhor”, disse o estudante Andrei Moraes dos Santos, 13 anos, aluno da escola municipal Checralla Salim Khayt.

Já a estudante Giovana Sales, da escola Maria Cecília, disse que é importante manter a cidade sempre limpa. “A gente tem que jogar o lixo na lixeira e não na rua”, afirmou a estudante. O evento contou ainda com a exposição de projetos sociais, como os da Apae, e iniciativas de empresas privadas como as da Águas de São Francisco e Unitapajós.

Entre uma apresentação e outro, a música mais ouvida na praça foi o Xote Ecológico, Luiz Gonzaga. Vale a pena lembrar um trecho da letra: “Não posso respirar, não posso mais nadar/
A terra está morrendo, não dá mais pra plantar/ E se plantar não nasce, se nascer não dá/ Até pinga da boa é difícil de encontrar”.