444 FAMÍLIAS DE BARCARENA RECEBEM TÍTULOS DEFINITIVOS DE IMÓVEIS


444 FAMÍLIAS DE BARCARENA RECEBEM TÍTULOS DEFINITIVOS DE IMÓVEIS
444 FAMÍLIAS DE BARCARENA RECEBEM TÍTULOS DEFINITIVOS DE IMÓVEIS

O prefeito de Barcarena, Antônio Carlos Vilaça, e o vice-prefeito Paulo Alcântara participaram da entrega de 444 títulos definitivos de propriedade, nesta quarta-feira (19), na escola Zita Cunha, no bairro Laranjal. O documento entregue aos moradores faz parte do projeto de regularização fundiária (Reurb).

Desde o ano passado, o Reurb vem sendo realizado por meio da parceria entre a prefeitura e a Superintendência do Patrimônio da União (SPU). Essa foi a segunda entrega dos títulos. A primeira foi há um mês. Até agora mais de 800 famílias foram beneficiadas, mas a meta da prefeitura é ultrapassar 8 mil atendimentos.

O prefeito Vilaca disse que, com o documento em mãos, os moradores devem fazer o registro do imóvel no cartório do município e que o procedimento é de graça. “Vamos titularizar todos os moradores que puderem”, disse ele. “A meta desse governo é fazer de Barcarena aquilo que ela merece”, acrescentou o gestor.

Vilaça aproveitou a ocasião para dizer que a atual prefeitura leva à sério os recursos que arrecada dos impostos da população. “Nós trabalhamos e somos sérios. Gastamos o dinheiro do povo corretamente”, destacou. “Não deixo gastar errado nem jogar dinheiro fora”, completou o prefeito, ao falar de obras e serviços em Barcarena.

PARCERIAS – O prefeito Antônio Carlos Vilaça também parabenizou o empenho das equipes que trabalham pela regularização fundiária no município e agradeceu aos parceiros do projeto tanto aos que estão em Barcarena quanto aos que atuam em diferentes esferas como no poder legislativo, seja o estadual, seja o federal.

O secretária de Infraestrutura de Barcarena, Rui Cabral, falou sobre o pioneirismo do município: “Somos o primeiro município a realizar o projeto Reurb no Pará”. O presidente da Câmara municipal, Júnior Ogawa, parabenizou o prefeito e seus auxiliares pelo “belo trabalho” realizado na cidade. “Ninguém se interessava pela regularização”, disse Ogawa.