SEMED ANUNCIA AÇÕES PARA RETORNO DAS AULAS COM SEGURANÇA


SEMED ANUNCIA AÇÕES PARA RETORNO DAS AULAS COM SEGURANÇA
SEMED ANUNCIA AÇÕES PARA RETORNO DAS AULAS COM SEGURANÇA

A volta às aulas no município foi um dos temas de reunião ocorrida esta semana, entre os secretários municipais. A secretária de Educação, Ivana Ramos, deu conhecimento as ações que estão sendo efetivadas, com orientação do prefeito Paulo Alcântara, referente a implementação dos ajustes sanitários orientados pelo Conselho Nacional de Educação, com objetivo de preparar a Rede Municipal para o retorno às aulas de forma segura.

Ivana Ramos disse que a volta às aulas ainda não tem data definida, pois será orientada por duas vertentes: o retorno das aulas do estado e a avaliação epidemiológica do município. Para ela, as ações precisam assegurar tranquilidade aos pais de alunos, estudantes e profissionais da educação.

A Prefeitura de Barcarena já está executando processos licitatórios para a aquisição de EPI’s, tanto para discentes como para docentes. A secretária Ivana Ramos pontuou a compra de luvas, protetor facial, avental, máscaras, bem como a instalação de pias nas áreas externas das escolas.

Ivana Ramos também destacou a aquisição de totem de álcool em gel, a contratação de serviço de desinfecção, através de raios ultravioletas, sistema usado na desinfecção de hospitais e metrôs, por exemplo, além de aquisição de lavadora de piso industrial para unidades escolares, álcool em gel e hipoclorito.

“É importante deixar claro que estamos agindo com responsabilidade, e desde de que surgiu a pandemia. E que o prefeito Paulo Alcântara não tem feito economia na busca de garantir um retorno seguro, quando acontecer”, explicou Ivana Ramos.

O secretário de Planejamento, Jacobson Estumano, que coordenou a reunião de secretários, mostrou preocupação em relação a equiparação da abertura das praias e outro setores da economia ao processo de reabertura da Educação. “Não podemos deixar de lembrar a diferença entre os dois, pois a Educação se estabelece em ambiente fechado com carga horaria mínima de 4 horas, envolvendo crianças de 3 a 6 anos e adolescentes 7 a 17 anos. Esta retomada implicará na circulação de mais de 25.000 pessoas”, disse.

O secretário explicou que os protocolos precisam seguir um rigor cientifico para evitar que este contato provoque contaminação de familiares e dos próprios servidores da educação. “A Educação não é dispensável, mas o novo normal exige uma readaptação total com número reduzido de alunos, utilização de tecnologia e a reabertura feita pelo Estado, que continua estabelecendo infraestrutura para execução de protocolos para uma volta no horizonte próximo, mas com segurança a todos os envolvidos, direta e indiretamente”, concluiu.